Novo ciclo energético e o diesel HVO

Recentemente foi publicado em diversos veículos de comunicação, principalmente nos especializados em transporte, notícias sobre a joint venture entre a Daimler Truck e o Grupo Volvo para acelerar o desenvolvimento da célula de combustível. Assim, achamos o momento oportuno explicarmos o que isso tem a ver com ônibus no desenvolvimento de diversas tecnologias para uso de fontes renováveis de combustíveis.

A mudança de combustíveis de fontes fósseis para renováveis começou já faz alguns anos. Para se ter uma ideia, o trólebus de São Paulo foi inaugurado em 1947, e na época preocupação era maior com uma possível escassez de petróleo. Atualmente, a prioridade passou a ser ambiental. No caso dos trólebus, a Mercedes-Benz tem parceria com a Eletra e cerca de 70 unidades rodando no sistema paulistano.

Estamos vivendo em período de transformação chamado por especialistas de “novo ciclo energético” com previsão ser realidade para o uso em massa em quase todo o mundo até a década 2040. Até lá, algumas tecnologias, como o uso de hidrogênio, biodiesel HVO, entre outras, estão desenvolvimento.

A aplicação comercial de cada tipo de tecnologia depende de fatores relacionados a condição econômica e dos recursos naturais disponíveis em cada país. Vamos os aspectos para três fontes de energia!

Célula de combustível

A célula eletroquímica transforma energia química em energia elétrica sem as perdas, emissões de poluentes e ruídos dos combustíveis fósseis. Muitos especialistas apostam nela como a melhor solução de energia limpa, porém, viável somente no longo prazo. Isso porque ainda temos desafios a serem vencidos, principalmente, os relativos aos custos de desenvolvimento e produção do equipamento, além da produção e da infraestrutura das fontes de energia, como o gás de hidrogênio, entre outras.

Por este motivo que a Daimler Truck e o Grupo Volvo se juntaram para acelerar o desenvolvimento desta tecnologia. A joint venture será somente para a produção do sistema de célula de combustível. Depois, cada a marca utilizará seus próprios caminhões e ônibus.

Elétrico a bateria

Com modelos já rodando em alguns países, o ônibus elétrico é visto por muitos exclusivamente para uso urbano e com quilometragem diária em torno de 200 km. Ele é viável em cidades com boa situação financeira, pois as baterias e a infraestrutura de carregamento delas são muito caras.

Vale lembrar que um ônibus, pelo peso e a quantidade de equipamentos como ar-condicionado, lâmpadas e o anda e pare, demanda muita energia e, consequentemente, precisa de muitas baterias, diferentemente de um automóvel leve. Além disso, é necessário um pesado investimento em infraestrutura e sistemas de abastecimento, considerando que a maior parte das frotas de ônibus rodam horas seguidas, ficando pouco tempo parada na garagem para recarregamento das baterias.

Projeções apontam que, com o tempo, o preço das baterias devem cair, mas, só para se ter uma ideia, atualmente um ônibus elétrico pode chegar a custar até três vezes mais do que o convencional com motor a diesel. Cidades financeiramente seguras, como Londres, têm subsidiado a diferença de preço entre o modelo diesel e o elétrico, além de oferecer infraestrutura adequada.

Para exemplificar a complexidade do ônibus elétrico a bateria, a Daimler Buses, na Europa, criou a “e-Mobility-Consulting” para ajudar os gestores de frotas, e os profissionais levam em consideração a extensão da linha, o volume de passageiros, as necessidades quanto à energia, os cálculos de autonomia, os cursos de treinamento de motoristas e os profissionais que vão trabalhar com sistemas de voltagens e suas redes de transmissão.

Diesel HVO

Para a realidade econômica e de recursos naturais do Brasil, a grande aposta está sendo no desenvolvimento do biocombustível de segunda geração, o HVO (Hydrotreated Vegetable Oil ou Óleo Vegetal Hidrotratado).

O Brasil é rico na oferta de produtos de origem vegetal e gordura animal, criando possibilidades para a produção de biocombustíveis em grande escala, com a vantagem do país já contar com uma ampla infraestrutura de distribuição e postos de abastecimento.

“Sabemos que o diesel, por sua tradição histórica e as grandes reservas existentes, é o combustível mais usado no Brasil e no mundo. Mas temos que investir em alternativas, e o biocombustível de 2ª geração, como o HVO, é um caminho a ser percorrido e bastante interessante”, ressalta Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing Ônibus da       Mercedes-Benz do Brasil.

Segundo o executivo, além da redução de emissões, o uso do HVO não exige nenhuma alteração na infraestrutura de abastecimento na garagem nem na logística de distribuição do combustível. “Além disso, ele pode ser utilizado em qualquer veículo a diesel de qualquer norma de emissões. E considerando a legislação da cidade de São Paulo, há uma redução das emissões de CO2 (Dióxido de Carbono) proporcional à porcentagem de HVO, pelo fato de ser um combustível não fóssil”, diz Walter Barbosa. “Vejo o uso do HVO como uma ponte até os ônibus elétricos nos grandes centros. E mais: esse biocombustível poderá ser uma solução também para ônibus de grandes distâncias rodoviárias”, conclui.

Veja também no BusClub

Nós utilizamos cookies

Queremos melhorar sua experiência de navegação em nosso site. Ao continuar a utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Para mais informações, por favor veja nossa Declaração de Privacidade.

OK